«Vocês sabem o que significa amar a humanidade? Significa apenas isto: estar satisfeito consigo mesmo. Quando alguém está satisfeito consigo mesmo, ama a humanidade. » Pirandello

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

NESTE FINAL DE ANO MÚSICA PARA RECORDAR

EU E A MINHA IRMÃ

Quando eu nasci, a nossa diferença de idade era significativa, em certas alturas do ano 10, noutras alturas 9. Em bebé devia ser a «boneca» dela. Quando me lembro da nossa vivência eu já teria 3 ou 4 e ela 13, 14…Nesta idade, tanto estávamos numa de «grande amor», como andávamos à sapatada e eu como era mais pequena tinha a condolência da mamã. Ela batia-me e eu desatava aos berros, a mamã vinha e ralhava-lhe, depois ela ficava furiosa e chamava-me parva, por fazer queixa. Embora mais velha ainda brincava com os meus brinquedos. Pela diferença de idade nunca fomos companheiras de escola. Eu dizia a brincar que ela era a minha mãe, porque achava a minha mãe muito velha! Lembro-me que quando começou a namorar, nessa altura namorava-se à entrada da porta, mas lá em casa havia uma pequena entrada, depois uma porta e depois o corredor que levava ao interior da casa, eu ia espreitar pelo buraco da fechadura, até nem me lembro de ver nada de especial! Quando ia sair com o namoro, eu ia de «pau-de-cabeleira» (não sei a proveniência deste dito), ia ao cinema, passear, ganhava uns livros infantis, sorvete, chocolates…
Quando a minha irmã casou eu tinha 13 anos e pronto saiu de casa, mas como logo desatou a ter filhos, voltamos a viver juntos. Cedo comecei a cuidar de crianças e a gostar muito de crianças. Quando a minha irmã ficou grávida do terceiro filho, deixou de trabalhar e voltamos a viver separados.
Fomos sempre bastante ligadas e éramos uma família unida, mas muito diferentes relativamente ao feitio, ela era e continua a ser uma «lady», eu brinco com ela chamando-lhe isso, mas ela não gosta nada. É uma pessoa muito senhora de si e eu sempre fui uma problemática «baldas», calças de ganga, t’shirt, blusão e muito de «ismos».
Casei bastante nova, com 19 anos, estive um tempo sem ter filhos e a «sobrinhada» andava sempre comigo e eu passava a vida em casa dela. Depois decidi ter filhos e ela deu-me uma coragem e um apoio extraordinários. Íamos muito ao cinema juntos. Foi a ver um filme de John Houston (estas coisas não se esquecem) que comecei a ter dores e ela «não te preocupes, vamos ver o filme, depois telefona-se à parteira». Toda a torcer-me lá aguentei!..Quando o filme acabou lá fomos para a Casa da Saúde, eu ela e o meu marido. Os dois assistiram ao parto e ela fazia mais força do que eu!..Quando nasceu a minha filha a cena foi similar, lá estiveram os dois. Estes momentos são marcantes e ela esteve comigo.
Outras situações foram ocorrendo, agradáveis e desagradáveis, mas a realidade é que com feitios muito diferentes, sempre estivemos juntas e continuamos.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009


Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, e depois perdem o dinheiro para a recuperar. Por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem o presente, de tal forma que acabam por nem viver no presente nem no futuro.Vivem como se nunca fossem morrer e morrem como se não tivessem vivido...


(Confúcio)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

GLORYA GAYNOR - I WILL SURVIVE

GLORYA GAYNOR – I Will Survive


ISTO É UM HINO PARA UMA CERTA GERAÇÃO!?...

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

PENSAMENTOS DE KHALIL GIBRAN



Aprendi o silêncio com os faladores, a tolerância com os intolerantes, a bondade com os maldosos; e, por estranho que pareça, sou grato a esses professores.”

“Os corações que as tristezas unem permanecem unidos para sempre. O laço da tristeza é mais forte que o laço da alegria. E o amor que as lágrimas lavam torna-se eternamente puro e belo.”

“As árvores são poemas que a terra escreve para o céu. Nós as derrubamos e as transformamos em papel para registrar todo o nosso vazio.”

“O amor é a única flor que desabrocha sem a ajuda das estações.”
“Pois as distâncias não existem para a recordação; e somente o esquecimento é um abismo que nem a voz nem o olho podem atravessar.”

“A música é a linguagem dos espíritos.”

“Deve existir algo estranhamente sagrado no sal: Está em nossas lágrimas e no mar.”

“A consciência de uma planta no meio do inverno não está voltada para o verão que passou, mas para a primavera que irá chegar. A planta não pensa nos dias que já foram, mas nos que virão. Se as plantas estão certas de que a primavera virá, por que nós – os humanos – não acreditamos que um dia seremos capazes de atingir tudo o que queríamos?”





Khalil Gibran - Célebre escritor libanês que fez carreira Nos EUA, escrevendo diversos livros em árabe e em inglês. Também se dedicou ao mundo das artes, expondo AS suas obras em Boston, NY e Paris.
SE QUISER SABER MAIS CONSULTE:


http://pt.wikipedia.org/wiki/Khalil_Gibran

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

QUANDO UM HOMEM QUISER - ARY DOS SANTOS


Tu que dormes à noite na calçada do relento

Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento

Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento

És meu irmão amigo

És meu irmão


E tu que dormes só no pesadelo do ciúme



Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume


E sofres o Natal da solidão sem um queixume


És meu irmão amigo


És meu irmão


Natal é em Dezembro



Mas em Maio pode ser


Natal é em Setembro


É quando um homem quiser


Natal é quando nasce uma vida a amanhecer


Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher


Tu que inventas ternura e brinquedos para dar



Tu que inventas bonecas e comboios de luar


E mentes ao teu filho por não os poderes comprar


És meu irmão amigo


És meu irmão


E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei

Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei

Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei

És meu irmão amigo

És meu irmão

Natal é em Dezembro

Mas em Maio pode ser

Natal é em Setembro


É quando um homem quiser

Natal é quando nasce uma vida a amanhecer

Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

MARIA JOÃO SEIXAS À FRENTE DA CINEMATECA


"Uma pessoa culta, simpática e fora dos lóbis", é assim que o realizador João Botelho descreve Maria João Seixas, nome avançado para a direcção da Cinemateca Portuguesa - instituição órfã de director desde que João Bénard da Costa a deixou, em Janeiro, por motivos de saúde. A simpatia é reconhecida por quem há mais de 30 anos a vê na televisão ou ouve na rádio. A relação entre a jornalista de 64 anos e o cinema é muito próxima - ou familiar. Literalmente. Maria João Seixas foi casada com o realizador Fernando Lopes, cineasta que no seu último filme ("Sorrisos do Destino", que estreou há um mês) retrata o final da relação do casal depois de uma relação extra-conjugal desmascarada. Ao lado de Fernando Lopes, Maria João assinou parte do argumento de "O Delfim" e "Cinema". Esteve também envolvida no documentário "Lissabon Wuppertal Lisboa", sobre a coreógrafa Pina Bausch e conta com prestações breves em filmes como "Adriana" ou "Um dia na Vida". O realizador João Botelho destaca ainda o trabalho de Seixas na divulgação do cinema português fora de portas com a distribuidora Uniportugal. Pedro Mexia assumiu o cargo de director interino e por lá ficou durante um ano a conduzir sozinho um cargo de dois lugares. A jornalista, nascida em Moçambique, foi assessora para a cultura do primeiro governo de António Guterres, mandatária nas candidaturas presidenciais de Jorge Sampaio e Mário Soares e na corrida à Câmara Municipal de Lisboa de Manuel Maria Carrilho.
(Jornal i)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

CIMEIRA DE COPENHAGA INTERESSA A TODOS


Começou ontem e termina no dia 18 a cimeira na qual o Mundo vai procurar um consenso para reduzir emissões com efeito no clima após 2012, quando cessa o compromisso de Quioto. Evidentemente que não vai ser fácil, terá de ser partida muita pedra sobre a mesa das negociações. Em Copenhaga estão reunidos representantes técnicos e políticos de 192 países, tendo como objectivo prioritário estabelecer plataformas de responsabilidades mútuas para deixar subir pouco, e depois diminuir mesmo, as emissões dos gases com efeito de estufa (GEE), os maus da fita, são: o óxido nitroso, o metano e o mais famoso de todos, o dióxido de carbono.Ao aumento da concentração desses gases na atmosfera por acção humana é imputado o aumento médio da temperatura global, a um ritmo e intensidade que o planeta só suportará à custa de grandes alterações de todo o clima e dos sistemas vivos que dele dependem. O dedo da Humanidade está aqui impresso, diz em uníssono a comunidade científica.Há cerca de duas décadas que a questão começou relutantemente a ser assumida pelos governantes, após o protagonismo encetado por movimentos ambientalistas, depois de estudos científicos múltiplos. A chancela das Nações Unidas às questões climáticas viria, depois, pôr na agenda internacional a emergência de os países acordarem acções destinadas a conter o aumento das temperaturas. As emissões de GEE, sobretudo da indústria e transportes, passaram a estar no centro da procura de compromissos. Mas também outras acções com impacto na atmosfera e restantes sistemas da Terra, como a desflorestação. Os problemas são vários, esperemos que neste período de tempo seja possível atingir os consensos necessários, para que depois do dia 18, o mundo possa ser visto de uma forma mais positiva.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

ORFEU REBELDE - MIGUEL TORGA



Orfeu rebelde, canto como sou:
Canto como um possesso
Que na casca do tempo, a canivete,
Gravasse a fúria de cada momento;
Canto, a ver se o meu canto compromete
A eternidade no meu sofrimento.
Outros, felizes, sejam rouxinóis...
Eu ergo a voz assim, num desafio:
Que o céu e a terra, pedras conjugadas
Do moinho cruel que me tritura,
Saibam que ha' gritos como há nortadas,
Violências famintas de ternura.

Bicho instintivo que adivinha a morte
No corpo dum poeta que a recusa,
Canto como quem usa
Os versos em legitima defesa.
Canto, sem perguntar à Musa
Se o canto é de terror ou de beleza.
Miguel Torga

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

PROVERBIOS E PINTURAS CHINESAS

Lembre-se hoje é o dia de manhã que tanto o preocupou ontem.

O mau nunca é bom até que aconteça o pior.

Sonhar como se fosse viver para sempre. Viver como se fosse morrer hoje.

Não compense com a ira o que lhe falta em razão


O bom senso vai mais longe do que muito conhecimento.

domingo, 22 de novembro de 2009

Ando desligada do blogue, mas sempre vou deixando alguma coisa.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

A PEDRA E O HOMEM

O distraído tropeçou nela;
O bruto usou-a como projéctil;
O empreendedor, usando-a, construiu;
O camponês, cansado da lida, fez dela acento;
Para meninos foi brinquedo;
Os poetas poetizaram-na
David com ela matou o gigante Golias;
Micheangelo dela extraiu a mais bela escultura;
E em todos os casos a diferença não estava na «pedra», mas no homem!


Não existe «pedra» no seu caminho que o homem não possa aproveitar, para o seu próprio crescimento!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

This Mortal Coil - Song to the Siren Cocteau Twins "



[FUI PROCURAR A CANÇÃO INDICADA, NÃO SEI SE SERÁ BOA PARA..., MAS É DIFERENTE E BEM INTERPRETADA]

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

2012


2012
De: Roland Emmerich
Com: John Cusack, Thandie Newton, Woody Harrelson
Drama
Os Maias, uma das mais fascinantes civilizações de todos os tempos, deixaram uma profecia para o século XXI: no ano de 2012, todo o planeta entrará em colapso e sucessivos eventos irão convergir na destruição total da Humanidade. Uma equipa de astrólogos, geofísicos e numerologistas resolve investigar a fundo o significado deste mito ancestral. E os cientistas chegam à assustadora conclusão que todos os cálculos são exactos e que e extinção da Humanidade está escrita há vários séculos. Quando as placas tectónicas começam a deslizar provocando múltiplas réplicas sísmicas em Los Angeles, instalando o caos e a destruição, Jackson Curtis (John Cusack) e toda a sua família começam uma viagem desesperada para impedirem a catástrofe prevista pelas antigas civilizações. Mas nem todos poderão ser salvos... Mais um "thriller" apocalíptico de Roland Emmerich.
ESTE FILME FOI FEITO, BASEADO NAS MUITAS ESPECULAÇÕES DE QUE O FIM DO MUNDO IRIA OCORRER EM 21 DE DEZEMBRO DE 2012. JÁ SE ENCONTRAM BASTANTES SITES SOBRE O ASSUNTO, UM DELES: http://sites.google.com/site/21dezembro2012/
(NEM TENCIONO VER O FILME, DETESTO O GÉNERO FILME/TRAGÉDIA)

sábado, 14 de novembro de 2009

A QUEM INTERESSAR

A NOTÍCIA DO LANÇAMENTO NA INTERNET DA WDL.....

A BIBLIOTECA DIGITAL MUNDIAL.

UM PRESENTE DA UNESCO PARA A HUMANIDADE INTEIRA !!!!

Especialmente para OS JOVENS Já está disponível na Internet, através do sítio www.wdl.org Reúne mapas, textos, fotos, gravações e filmes de todos os tempos e explica em sete idiomas as jóias e relíquias culturais de todas as bibliotecas do planeta. Tem, sobre tudo, carácter patrimonial" , antecipou ontem em LA NACION Abdelaziz Abid, coordenador do projecto impulsionado pela UNESCO e outras 32 instituições. A BDM não oferecerá documentos correntes , a não ser "com valor de património, que permitirão apreciar e conhecer melhor as culturas do mundo em idiomas diferentes: árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português. Mas há documentos em linha em mais de 50 idiomas". Entre os documentos mais antigos há alguns códices pré-colombianos, graças à contribuição do México, e os primeiros mapas da América, desenhados por Diego Gutiérrez para o rei de Espanha em 1562", explicou Abid. Os tesouros incluem o Hyakumanto darani , um documento em japonês publicado no ano 764 e considerado o primeiro texto impresso da história; um relato dos azetecas que constitui a primeira menção do Menino Jesus no Novo Mundo; trabalhos de cientistas árabes desvelando o mistério da álgebra; ossos utilizados como oráculos e esteiras chinesas; a Bíblia de Gutenberg; antigas fotos latino-americanas da Biblioteca Nacional do Brasil e a célebre Bíblia do Diabo, do século XIII, da Biblioteca Nacional da Suécia. Fácil de navegar Cada jóia da cultura universal aparece acompanhada de uma breve explicação do seu conteúdo e seu significado. Os documentos estão no seu idioma original, mas as explicações aparecem em sete línguas, entre elas O PORTUGUÊS A biblioteca começa com 1200 documentos, mas foi pensada para receber um número ilimitado de textos, gravados, mapas, fotografias e ilustrações. O acesso é gratuito e os usuários podem ingressar directamente pela Web , sem necessidade de se registarem. Quando se faz clique sobre o endereço www.wdl.org , tem-se a sensação de tocar com as mãos a história universal do conhecimento. Permite ao internauta orientar a sua busca por épocas, zonas geográficas, tipo de documento e instituição. O sistema propõe as explicações em sete idiomas (árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português). Os documentos, por sua parte, foram digitalizados na sua língua original. Desse modo, é possível, por exemplo, estudar em detalhe o Evangelho de São Mateus traduzido em aleutiano pelo missionário russo Ioann Veniamiov, em 1840. Com um simples clique, podem-se passar as páginas de um livro, aproximar ou afastar os textos e movê-los em todos os sentidos. A excelente definição das imagens permite uma leitura cómoda e minuciosa. Entre as jóias que contem no momento a BDM está a Declaração de Independência dos Estados Unidos, assim como as Constituições de numerosos países; um texto japonês do século XVI considerado a primeira impressão da história; o jornal de um estudioso veneziano que acompanhou Fernão de Magalhães na sua viagem ao redor do mundo; o original das "Fábulas" de La Fontaine, o primeiro livro publicado nas Filipinas em espanhol e tagalog, a Bíblia de Gutemberg, e umas pinturas rupestres africanas que datam de 8.000 A.C.. Duas regiões do mundo estão particularmente bem representadas: América Latina e Médio Oriente. Isso deve-se à activa participação da Biblioteca Nacional do Brasil, a biblioteca Alexandrina do Egipto e a Universidade Rei Abdulá da Arábia Saudita. A estrutura da BDM foi decalcada do projecto de digitalização da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, que começou em 1991 e actualmente contém 11 milhões de documentos em linha. Os seus responsáveis afirmam que a BDM está sobretudo destinada a investigadores, professores e alunos. Mas a importância que reveste esse sítio vai muito além da incitação ao estudo das novas gerações que vivem num mundo audiovisual. Este projecto tampouco é um simples compêndio de história em linha: é a possibilidade de aceder, intimamente e sem limite de tempo, ao exemplar sem preço, inabordável, único, que cada um alguma vez sonhou conhecer.

Alejandro del Teso Herradón Bibliotecário

LEMBRANDO FRIDA KAHLO

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

PRECISO DE UM FILME PARA VER...

Ver cinema como deve ser só numa sala de cinema, mas vou vendo e revendo muito cinema em casa. O que preciso mesmo é de um bom filme numa sala de cinema. O panorama dos filmes em exibição não é aliciante, é claro que eu já não vou ver qualquer coisa, a maioria dos filmes não trazem nada de novo, já se viu aquele filme centenas de vezes e tudo é muito previsível, esses aborrecem-me imenso. Depois há géneros de filmes: policial, comédia, acção, drama e outros que só vou ver quando por trás há um bom realizador, bons actores e bons técnicos. São estes os meus critérios.

Estou sempre à espera, que depois de certos festivais de cinema, vá aparecendo bons filmes, mas não tem sido o caso. Também com os Óscares e anteriormente a entrega dos Globos de Ouro, podem aparecer novidades com interesse e apesar de ainda faltar uns meses, para a entrega dos Óscares, já há filmes, que ainda não estão em exibição: Treeof Life, de Terrence Malick, Invictus de Clint Eastwood e The Lovely Bones de Peter Jackson, que já são favoritos consensuais. Mas há outros: Estado de Guerra, de Kathryn Bigelow, Precious, de Lee Daniels, A Serious Man, dos Coen e Nas Nuvens, de Jason Reitman.
Relativamente aos Óscares de interpretação só Meryl Streep (Julie e Julia), Michelle Monaghan (Trucker), Cristopher Waltz (Sacanas sem Lei) e Colin Firth (A Single Man) estão seguros, embora Hillary Swank (Amelia), esteja dentro das perspectivas.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

EU QUE AMO TANTO - LIVRO DE MARÍLIA GABRIELA


O livro revela o perfil de 14 mulheres que sofreram por amar de mais. Esta obra tem fotografias de Jordi Burch e prefácio de José Eduardo Agualusa.
Depois de ter entrevistado as 14 mulheres, que tiveram a coragem de partilhar as suas histórias e formaram o grupo de ajuda MADA, que significa Mulheres que Amam Demais Anónimas, a autora foi para o psicanalista.
Marília Gabriela deu aos depoimentos, um toque do drama e do humor, caracterizando o sentimento de amor dessas mulheres como uma patologia.
Essas mulheres entraram numa paixão sem limite, que as levou ao fundo do poço, mas depois de ultrapassarem todo o sofrimento, tornaram-se mais fortes, recuperando-se das suas histórias de obsessão e dos seus amores de perdição.
Uma paixão que se alimenta de sofrimento, para amar tem que se sofrer e que vem do Movimento Romântico.
Marília Gabriela confessou que já sentiu uma paixão violenta durante cinco anos, era uma doença, um estado de excepção e que era o que era, por ser pura dificuldade.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

FERNANDO PESSOA


Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,

mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.

Que posso Evitar que ela vá a falência.

Ser feliz é Reconhecer que vale a pena viver

Apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e

se Tornar um autor da própria história.

É atravessar desertos fora de si, mas ser Capaz de encontrar

um Oásis no recôndito da sua alma.

É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos Próprios Sentimentos.

É saber falar de si mesmo.

É ter coragem para ouvir um 'Não'.

É ter segurança para Receber uma crítica, mesmo que injusta.Pedras no caminho?

Guardo todas, um dia vou construir um castelo ...
(Fernando Pessoa)

terça-feira, 10 de novembro de 2009

ESTADO DE GUERRA


The Hurt Locker (Estado de Guerra, Kathryn Bigelow, 2008) é um excelente filme de acção realista que transporta o espectador directamente para as solas dos militares no caos da guerra do Iraque. Concordo com a hipótese de James Cameron a qual advoga que o filme vai tornar-se num clássico de guerra, como aconteceu com o filme Platoon (Oliver Stone, 1986) em relação ao conflito no Vietname. Kathryn Bigelow acompanha, através de câmaras ocultas no “cenário” criado, o movimento dos actores que representam uma equipa de militares de elite a trabalhar em Bagdad e arredores. Estes senhores da guerra trabalham em conjunto, num terreno cheio de ratoeiras e totalmente hostil, na tentativa de desactivarem algumas bombas e de evitarem encontros indesejados com milícias. Filmado no deserto, a cinco quilómetros da fronteira deste país, o filme apresenta de forma impiedosa este trabalho de desarmamento. As bombas podem estar em todo o lado a toda a hora. Cada objecto, cada corpo, cada pedra da calçada, pode ocultar uma explosão mortal e a adrenalina necessária para manter o serviço de desarmamento feito é uma experiência de fluxo, i. e., alheamento total em que o corpo responde de forma mecânica, sem reflexão. O trabalho torna-se desta forma uma droga e o alívio para a brutalidade da profissão faz-se notar pelo medo de perder a coragem. Sem moralismos, puro e duro. Em The Hurt Locker, Mark Boal, jornalista profissional e argumentista deste filme, escreve o enredo a partir das suas próprias experiências ao lado de soldados americanos no Iraque, como aliás já tinha feito ao redigir o argumento de “No Vale de Elah” (Paul Haggis, 2007).

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

domingo, 8 de novembro de 2009

CREPUSCULAR


Há no ambiente um murmúrio de queixume,
e desejos de amor, d'ais comprimidos...
Uma ternura esparsa de balidos,
Sente-se esmorecer como um perfume.
As madressilvas murcham nos silvados
E o aroma que exalam pelo espaço,
Tem delíquios de gozo e de cansaço,
Nervosos, femininos, delicados,
Sentem-se espasmos, agonias d'ave,
Inapreensíveis, mínimas, serenas...
_ Tenho entre as mãos as tuas mãos pequenas,
O meu olhar no teu olhar suave.
As tuas mãos tão brancas d'anemia...
Os teus olhos tão meigos de tristeza...
_ É este enlanguescer da natureza,
Este vago sofrer do fim do dia.
Camilo Pessanha, in 'Clepsidra'

ENTERRO DE GATO

Agnés Varda, grande realizadora francesa, deixou fotografar-se, depois de enterrar o seu gato, com certeza um grande companheiro, como só os animais conseguem ser!..

sábado, 7 de novembro de 2009

AS MINHAS LEITURAS INFANTIS

Em determinado dia da semana, lá ia eu ao quiosque buscar as últimas novidades e apesar de ter vários «heróis», hoje lembro a banda desenhada da turma da Lulu e da Mónica. Vinha tudo em brasileiro e depois o resultado eram uns quantos erros na escola, alguns até perduraram.

(Não conheço o depois)
Luluzinha é uma menina muito esperta e teimosa, a sua idade é entre 8 a 10 anos e gosta de aprontar várias peripécias, principalmente manter na linha seu amigo Bolinha e a turma do clube dos meninos. Lulu nas horas vagas inventa histórias de aventura enquanto toma conta do terrível Alvinho. Nas histórias sempre usa cabelos aos cachos atrás e enrolados na frente, vestido e boina vermelhos, calção branco, e sapatos cor de caramelo.
País de origem - EUA
Janeiro/Fevereiro de 1948 (Comecei a ler uns bons anos depois)
Autor - John Stanley
Desenho - Irving Tripp, John Stanley













A Turma da Mónica foi criada por Maurício de Sousa no ano de 1959. Eu tinha uma preferência especial pelo Cebolinha, mas já nem sei porquê.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

URSO POLAR

Incrível!!!! Esta história aconteceu recentemente na Província de Manitoba, no Canadá e foi documentada por um fotógrafo.



Os huskies siberianos estavam indefesos, presos na coleira quando
de repente lhes surge um imenso urso polar...




Mas o inacreditável aconteceu, para a felicidade dos huskies o
urso queria só... brincar...

E ainda tem gente que pensa que a paz é impossível...

Urso Polar.


Incrível!!!! Esta história aconteceu recentemente na Província de Manitoba, no Canadá e foi documentada por um fotógrafo.

Os huskies siberianos estavam indefesos, presos na coleira quando
de repente lhes surge um imenso urso polar...

Mas o inacreditável aconteceu, para a felicidade dos huskies o
urso queria só... brincar...

E ainda tem gente que pensa que a paz é impossível...

Quando a última árvore tiver caído,
Quando o último rio tiver secado,
Quando o último peixe for pescado,
Vocês vão entender que dinheiro não se come.
(Greenpeace)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

PRÉMIO NOBEL DA PAZ


Você sabia que o ditador Adolf Hitler, foi indicado para o Prémio Nobel da Paz? E que Mahatma Gandhi, o maior defensor da não-violência, nunca foi premiado? (se não acredita, vá à net verificar)
O critério é assim: qualquer pessoa pode concorrer. Basta que o nome seja sugerido por um parlamentar do país. Cada um escolhe da melhor forma que entender quem merece entrar para essa lista. Para o Nobel da Paz de 2009, 205 pessoas foram indicadas, por exemplo, Barack Obama, Nicolas Sarkozy, a activista afegã, defensora dos direitos humanos, Seema Samar, (no topo da lista), seguida pela senadora colombiana Piedad Cordoba, que luta pela libertação de reféns das Forças Revolucionárias da Colômbia e pelo professor de filosofia, o jordaniano Ghazi bin Muhammad. Na bolsa de apostas aparecem ainda o cantor Michael Jackson e o ex-presidente americano George Bush.
[Ganhou o Obama e já se falou muito sobre isso, mas será que sabem a reacção de Clinton? Em conversa «parece que ele disse: …ah pois… por isto mais aquilo…o falatório é que dá, um prémio pelo blá-blá…Bolas eu próprio fui considerado um grande orador, eu que aturei quadrilhões de horas da loucura do Arafat, acabei com a limpeza étnica na Bósnia, promovi a paz na Irlanda do Norte, tenho a Clinton Global Initiative, a salvar vidas em África…isto parece que não é nada…se não me iam dar a mim podiam ter dado ao movimento dos direitos humanos chinês, ou a quem combate a sida no Congo ou ao Bono!..
[ISTO É INVENÇÃO MINHA, CLARO!..]

domingo, 1 de novembro de 2009

CLARICE LISPECTOR



DÁ-ME A TUA MÃO
Dá-me a tua mão:Vou agora te contar
como entrei no inexpressivo
que sempre foi a minha busca cega e secreta.
De como entre
inaquilo que existe entre o número um e o número dois,
de como vi a linha de mistério e fogo,
e que é linha sub-reptícia.
Entre duas notas de música existe uma nota,
entre dois fatos existe um fato,
entre dois grãos de areia por mais juntos que estejam
existe um intervalo de espaço,
existe um sentir que é entre o sentir
- nos interstícios da matéria primordial
está a linha de mistério e fogo
que é a respiração do mundo,
e a respiração contínua do mundo
é aquilo que ouvimos
e chamamos de silêncio.

BEBEL GILBERTO EDITA NOVO DISCO, INCLUINDO CANÇÕES DE BOB MARLEY

CONCERTO


Abertura da ópera «Guilherme Tell » de Rossini
Sinfonia nº.15 de Chostakovitch
ONP - Maestro CHRISTOPH KÖNIG – CASA DA MÚSICA

Foi tocada a Abertura Guilherme Tell de Rossini, para mostrar que a Sinfonia 15, de Chostakovitch faz uma citação à mesma.
Guilherme Tell, levou a Suiça à independência e à liberdade dos Habsburgos. Guilherme Tell ao confrontar o rei foi castigado, teria que a 50 metros dar um tiro com a sua besta, acertando numa maça, que estava colocada em cima da cabeça do filho. Superou esta dura prova. Logo de seguida lutou triunfalmente para tirar o poder aos Habsburgos. Esta abertura é como uma cavalgada de triunfo e liberdade.
Chostokovitch, quando compôs a sua última sinfonia, já se encontrava muito doente e esta sinfonia é como que uma análise à sua vida. No 1º. Andamento aborda a sua infância, o quarto dos brinquedos mágicos e aí surge a citação à composição de Rossini. No 2º. Andamento já é adulto e nessa altura o acontecimento mais marcante da sua vida, foi a morte do pai e ouve-se um lânguido adágio. Segue-se o 3º. Andamento onde expressa toda a opressão que sofreu do regime Stalinista, que considerava a sua música burguesa e demasiado modernista. No 4º. Andamento devido à situação em que se encontra, faz uma citação à trilogia «O Anel dos Nibelungos» de Richard Wagner, precisamente com a frase musical do destino e depois de a música atingir um crescente dramático, cai uma penumbra que o leva novamente ao quarto dos brinquedos mágicos e à sua infância.


sexta-feira, 30 de outubro de 2009

«YO NO CREO EN BRUJAS, PERO QUE LAS HAY, LAS HAY???? CERVANTES

O Dia das Bruxas (Halloween é o nome original na língua inglesa) é um evento tradicional e cultural, que ocorre nos países anglo-saxônicos, com especial relevo nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos.
Na celebração actual do Halloween, podemos notar a presença de muitos elementos ligados ao folclore em torno da bruxaria. As fantasias, enfeites e outros itens comercializados por ocasião dessa festa, estão repletos de bruxas, gatos pretos, vampiros, fantasmas e monstros, no entanto isso não reflecte a realidade pagã.

HISTÓRIA
A celebração do Halloween tem duas origens que no decorrer da História se foram misturando:
Origem Pagã - que tem a ver com a celebração celta chamada Samhain, que tinha como objectivo dar culto aos mortos. Sabe-se que as festividades do Samhain eram celebradas muito possivelmente entre os dias 5 e 7 de Novembro (a meio caminho entre o equinócio de verão e o solstício de inverno). Eram precedidas por uma série de festejos que duravam uma semana, e davam início ao ano novo celta. A “festa dos mortos” era uma das suas datas mais importantes, pois celebrava o que para nós seriam “o céu e a terra” (conceitos que só chegaram com o cristianismo). Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor. A festa era celebrava com ritos presididos pelos sacerdotes druidas, que actuavam como “médiuns” entre as pessoas e os seus antepassados. Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam nessa data, para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo.
Origem Católica - Desde o século IV a Igreja da Síria consagrava um dia para festejar “Todos os Mártires”. Três séculos mais tarde o Papa Bonifácio IV, transformou um templo romano dedicado a todos os deuses (panteão) num templo cristão e dedicou-o a “Todos os Santos”. A festa em honra de Todos os Santos, inicialmente era celebrada no dia 13 de maio, mas o Papa Gregório III, mudou a data para 1º de Novembro, que era o dia da dedicação da capela de Todos os Santos na Basílica de São Pedro, em Roma. Mais tarde, no ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a festa de Todos os Santos fosse celebrada universalmente. A festa era chamada All Hallow’s Eve (Vigília de Todos os Santos), passando depois pelas formas All Hallowed Eve e “All Hallow Een” até chegar à palavra actual “Halloween”.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

ALENTEJO - AÇORDA ALENTEJANA


Gosto bastante da região do Alentejo. Uma zona de pouca vegetação e grandes planícies, com os seus campos pintados de várias cores. Gosto das suas aldeias brancas e da forma musical da forma de falar das suas gentes. Gosto do seu litoral, com praias belíssimas e tranquilas. Gosto da influência árabe que vai subsistindo. Zona de grandes latifúndios, se uns tinham demais, outros trabalharam muito, mas a miséria sempre foi relevante nas suas vidas, por essa razão também foi a zona de maior penetração do comunismo e ainda continua a ser. É de facto muito bonito o Alentejo e ainda não teve aquele embate tremendo do turismo, embora o mesmo pudesse beneficiar a região.














Outro aspecto «gostoso» desta região é a sua gastronomia, cheia de temperos e de aromas. Aqui existiu a fome, era necessário dar à comida que era possível fazer, a riqueza do aroma e o recurso era incluir as muitas plantas aromáticas, que se encontram na região.
A açorda à alentejana, pode ser um dos exemplos de uma refeição pobre enriquecida.
------------------------------
A açorda à alentejana é uma sopa típica do Alentejo que, ao contrário da maioria das sopas, não é cozinhada. A receita de açorda não é universal, já que muda de zona para zona e mesmo de família para família.
A composição básica da açorda é alho, sal, azeite, água em ebulição e pão fatiado, no entanto a esta mistura acrescentam-se ervas aromáticas como o coentro ou o poejo e pode servir-se com peixe fresco, bacalhau ou ovo (escalfado ou cozido).
O processo de confecção passa pelo pisar do sal com a erva aromática e o alho, mistura à qual se acrescenta azeite. Deita-se depois por cima a água onde se cozeu o acompanhamento, ainda fervente, e deita-se pão alentejano fatiado.






sábado, 24 de outubro de 2009

SUSAN BOYLE

Com certeza conhecem este fenómeno. Ao apresentar-se num concurso selectivo de talentos, foi imediatamente desvalorizada pelo seu aspecto físico, no entanto quando começou a cantar o júri rendeu-se completamente à sua voz e a partir daí, Susan, que acalentava há muitos anos, cantar em palco, tornou-se um sucesso.
As fotografias abaixo mostram as transformações do seu aspecto físico e da forma como hoje se veste, espero que Susan continue a ser no fundo, aquela mulher simples, que tinha sonhos.