«Vocês sabem o que significa amar a humanidade? Significa apenas isto: estar satisfeito consigo mesmo. Quando alguém está satisfeito consigo mesmo, ama a humanidade. » Pirandello

sábado, 28 de fevereiro de 2009

CASA DA MÚSICA - SALA SUGGIA

ORQUESTRA NACIONAL DO PORTO
DIRECTOR DE ORQUESTRA: OLARI ELTS
SOLISTA: HÄKAN HARDENBERGER (TROMPETE)
PROGRAMA:
JOHANNES BRAHMS - ABERTURA TRÁGICA
ROLF MARTINSSON - CONCERTO PARA TROMPETE Nº.1 (A PONTE)
DMITRI CHOSTAKOVITCH - SINFONIA Nº. 6

[CONCERTO MUITO BOM]

HERÓIS GREGOS - JASÃO


Jasão o herói grego, foi despojado do trono paterno, pelo seu tio Pélias, por temer a profecia de que seria morto por Jasão. A condição que Pélias pôs, para lhe restituir o trono, era uma missão impossível: trazer o Tosão (Velo de ouro), da distante Cólquida.
Em Argos, Jasão constrói a nau Argo e reúne uma tripulação de heróis, conhecida como os argonautas. Após várias aventuras, os argonautas chegam à Cólquida. O rei Eetes da Cólquida, exige que Jasão cumpra várias tarefas, para obter o Velo de Ouro, inclusive arar um campo com touros que cospem fogo, semear os dentes de um dragão, lutar com o exército que brota dos dentes semeados e passar pelo dragão que guarda o próprio Tosão. Com o Tosão nas mãos, Jasão foge com Medeia, filha de Eetes, e enfrenta várias aventuras de volta a casa. Medeia trama a morte do rei Pélias, cumprindo a antiga profecia.
Jasão retira-se para Corinto e repudia Medeia, para desposar Creúsa, filha de Creonte. Medeia, por vingança, mata Creúsa e os próprios filhos, que tivera de Jasão.
[HISTÓRIAS FANTÁSTICAS, QUE TÊM SEMPRE OUTRAS LEITURAS, EM CONFORMIDADE COM A MENSAGEM A PASSAR.]

JANE AUSTEN (1775-1817)


Jane Austen, uma escritora, que é considerada por alguns, como a segunda figura mais importante da literatura inglesa, depois de Shakespeare. Ela representa um exemplo de uma escritora, que teve uma vida pacata, mas isso não interferiu na sua imaginação, soube bem descrever a sua época.
O pai era sacerdote e Jane nasceu na casa da paróquia de Steventon, Hampshire, Inglaterra. Teve seis irmãos e uma irmã mais velha, Cassandra, da qual era muito íntima. O único retrato conhecido de Jane Austen, é um esboço colorido feito por Cassandra.
Jane nunca se casou, esteve noiva de um rapaz muito mais novo que ela, Harris Bigg-Wisley, mas desistiu do noivado. Dedicou-se completamente à escrita e fez uma vida de muito isolamento.
Escreveu vários romances, que se tornaram célebres:
Lady Susan, Sensibilidade e Bom Senso (Sense and Sensibility) Orgulho e Preconceito, Mansfield Park ,Emma, Abadia de Northanger, Persuasão, Sir Charles Grandison (sua única peça teatral).


FORAM FEITAS VÁRIAS ADAPTAÇÕES PARA O CINEMA E A TELEVISÃO DOS SEUS ROMANCES:Orgulho e preconceito, Sensibilidade e Bom Senso, Mansfield Park, Emma, Persuasão e A Abadia de Northanger.


[Além de JANE AUSTEN estar dentro das minhas primeiras leituras, também vi várias adaptações dos seus romances no cinema e na televisão]

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

ISAAC ALBÉNIZ - ANDRÉS SEGÓVIA TOCA ASTÚRIAS

MOZART - EINE KLEIN NACHTMUSIK

CHOPIN - ESTUDO 10 TRISTEZZA

BISPO RICHARD WILLIAMSON

Como é possível dizer que o HOLOCAUSTO nunca existiu, nem câmaras de gás, nem a morte dos 6 milhões de judeus, dizendo que apenas 300 mil teriam morrido! A situação ocorreu a pouco mais de meio século, há muito material de consulta, não aconteceu na idade da Pedra!?...
Este Bispo estava excomungado há 20 anos e o Papa concedeu-lhe o perdão há pouco tempo e ao fazer revelações destas, devia é ir para a manicómio, mas pediu perdão aos judeus e a Deus? Será que Deus lhe concedeu o perdão?
Como é possível mentir-se, com tanto descaramento! Com certeza e pensando noutras situações, temos que aceitar a mentira, como uma coisa natural e estou a pensar em factos que ocorrem no nosso país. OS HOMENS DA IDADE DA PEDRA DEVIAM SER MUITO MAIS PUROS!?...

IRMÃS BRIONTË (primeiras leituras)

EMILY BRONTË (1818-1848) escritora e poetisa britânica, autora do famoso livro,Wuthering Heights – O Monte dos Vendavais. Emily tinha mais cinco irmãos, as suas irmãs Charlotte e Anne, também se dedicaram à escrita. O pai era um pastor irlandês e partilharam a infância, entre um sinistro presbitério, de onde só avistavam o cemitério, uns terrenos baldios e uma pensão para eclesiásticos pobres. Ainda tentaram montar uma escola, mas não tinham alunos, devido à má conduta de um dos seus irmãos. Perderam os pais cedo e também morreram precocemente vitimas da tuberculose. Inicialmente Emily começou a escrever poesia, mas sucesso teve o seu único livro que escreveu em prosa, O MONTE DOS VENDAVAIS, que posteriormente foi incluído no cânone dos clássicos da literatura inglesa. Já teve inúmeras versões para o cinema e para a televisão.


CHARLOTTE BRONTË (1816-1855), publicou em 1847, com o pseudónimo de Currer Bell, Jane Eyre, o seu maior e mais duradoiro sucesso, Shirley (1849) e Villette (1853).

JANE EYRE, foi o seu único que eu li e também já teve muitas adaptações para o cinema e para a televisão.
ANNE BRONTË (1820-1849) - poetisa e romancista, a mais jovem da família literária Brontë.
Legou obras como, "O campeão de Wildfell Hall" e "Agnes Grey", em algumas edições baptizado de "A preceptora". NUNCA LI NENHUM DOS SEUS LIVROS.

TODAS AS TRÊS ESCREVERAM COM PSEUDÓNIMOS MASCULINOS.


HC-UPP-TESTA DE FERRO

REALIZAÇÃO: MARTIN RITT (1975)
INTERPRETAÇÃO : WOODY ALLEN
A temática do filme é o «maccarthysmo», mais precisamente a «lista negra» e a «caça às bruxas», isto é à marginalização dos que pudessem ter simpatias comunistas, isso motivou a perseguição a muitos intelectuais e notou-se principalmente no cinema e na televisão, onde os considerados «vermelhos», não podiam trabalhar. Esta temática não foi muito explorada pelo cinema e este é um dos poucos filmes, sobre o tema.

NATURE'S WAY TO BEAUTIFUL


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

CARL MARIA von WEBER (1786-1826)


Barão Carl Maria Friedrich Ernest von Weber, compositor de Holstein (hoje parte da Alemanha). Conhecido pelo seu sobrenome, Weber, foi um dos primeiros compositores significativos da Era Romântica.
Interessado em novas sonoridades e combinações instrumentais, tornou-se um dos maiores compositores do Ocidente. Na transição do Classicismo, para o Romantismo, a sua obra introduziu a nova estética na Alemanha.
Carl Maria Von Weber foi um pioneiro do drama musical alemão, e a ele se deve a criação da ópera Der Freischütz, a primeira ópera romântica alemã. Compôs ainda as óperas: Das Waldmädchen, Oberon e Euryanthe. A sua música influenciou a inspiração musical de Wagner.
Destacou-se como pianista, violinista e teórico do Romantismo. Mais tarde teve predilecção pelo clarinete e pela trompa.


Sendo um compositor que eu aprecio, tenho as seguintes obras: ÓPERA: DER FREISCHIITZ
ÓPERA: ABU HASSAN – DER FREISCHIITZ (Abertura e Prelúdio do 3º.acto – Invitation to the Dance); OVERTURES –Euryanthe –Abu Assam – Preziosa – Beherrscher der Geister – Oberon – Jubel – Der Freischütz; Concerto para Piano nº.1 e nº.2; Sinfonia nº.1 e nº.2; Concerto para Clarinete nº.1 – Concertino – Concerto para Clarinete nº.2 – Quinteto para Clarinete e DIE DREI PINTOS – ópera completada por Mahler

WEBER - EXCERTO DA ABERTURA DA ÓPERA «OBERON»

OUTROS LIVROS QUE ME MARCARAM







ENID BLYTON (1897-1968)

Enid Mary Blyton Pollock Darrell Waters, uma prolífica escritora inglesa de literatura infantil, escreveu mais de 600 livros, tanto com o seu nome de solteira Enid Blyton, como com o seu nome de casada Mary Pollock.
Criança precoce, adorava desporto e literatura. Estudou também piano, mas depois dedicou-se ao professorado e simultânemanete à escrita. O primeiro livro que publicou foi de poesia. Casou duas vezes e teve vários filhos. Depois da norte do segundo marido, a sua saúde degradou-se bastante e contraiu a doença de Alzheimer, acabando por morrer.
Os seus livros são baseados em grupos de jovens (irmãos, primos, amigos), de boas famílias, que à margem dos adultos, brincam e confrontam-se sempre com um mistério, que eles vão descobrindo, vivendo toda a espécie de aventuras e fantasias. Os seus livros foram traduzidos em cerca de 90 países e tornaram-se muito populares, entre as crianças. Esta escritora é a quinta autora mais popular do mundo. Gozou de um público adolescente que muito a apreciava, mas a crítica foi bastante cáustica para com ela.
Das suas séries mais famosas de mistério e aventura, eu devorava as «AVENTURAS DOS CINCO», mas também se tornaram um êxito, As Aventuras dos Sete e o Noddy.

CONDESSA DE SÉGUR (1799-1874)

[Neste blogue, tenho-me referido bastante a livros e escritores. Comecei a ler muito cedo e em cada fase da minha vida, li os livros mais adequados à idade. Lembro-me da Condessa de Ségur, da Enid Blyton, Charles Dicksens, Mark Twain, Harriet Beecher Stowe...]


Sophie Feodorovna Rostopchine, a Condessa de Ségur, escritora russa, largamente conhecida no século XIX, como autora de obras-primas de literatura infantil.
Sophie viveu grandes acontecimentos históricos, a invasão de Moscovo por Napoleão Bonaparte, na qual o seu pai teve grande participação e depois o exílio em Varsóvia, Confederação Alemã, península italiana e por fim França, com a Restauração dos Bourbon. Aí conheceu o Conde Eugene Ségur, com quem casou, um casamento não muito feliz, embora tivessem tido oito filhos. A Condessa de Ségur escreveu seu primeiro conto com 58 anos.
Que me lembre, foram as minhas primeiras leituras, principalmente os livros em que é desenvolvida a personagem da Sofia, uma criança muito activa, que só fazia asneiras, lembro-me bem de, Um Bom Pequeno Diabo e de Os Desastres de Sofia, embora tenha escrito muitos mais livros.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

GLENN GOULD (1932-1982) [UM GENIAL PIANISTA]


Glenn Herbert Gould foi um genial pianista, conhecido especialmente por suas gravações de Johann Sebastian Bach, destacando-se, AsVariações Goldberg, que tocadas por este pianista são icónicas, para os melómanos de todo o mundo.
Gould nasceu com o nome de Glenn Gold, em Toronto, Ontário, de uma família protestante, que de imediato mudou o seu apelido, para o proteger de uma onda de anti-semitismo, que existia nos anos 30 no Canadá. Começou por aprender piano com a mãe (o avô era sobrinho do compositor Edward Grieg), depois foi estudar para o Royal Conservatory of Music, tinha apenas 10 anos. Ali, estudou piano, órgão e teoria musical.
Há uma teoria segundo a qual, Glenn Gould, sofria desde a infância de uma forma menor de autismo, a síndrome de Asperger. Ausência de empatia, desinteresse pelas relações humanas, algumas obsessões (como a hipocondría), fazem parte dessa síndrome.
Apresentou-se em público tocando órgão, seguindo-se depois a sua primeira aparição com uma orquestra, tocando o Concerto no. 4, para piano e orquestra, de Beethoven. Depois fez o seu primeiro recital público e a sua primeira apresentação na rádio. Este foi o começo de uma longa associação com o rádio e com as gravações em disco.
Em 1957, em plena Guerra Fria, Gould promoveu uma tournée pela União Soviética. Foi o primeiro cidadão do continente norte-americano, a tocar na URSS, depois da II Guerra Mundial.
Em 1964, Gould tocou pela última vez publicamente. O resto da sua vida, foi concentrada noutros interesses, como as gravações, escritas, transmissões de rádio e televisão, documentários e composição (ainda que tenha, produzido poucas composições).
Gould morreu em 1982, em Toronto, depois de sofrer um derrame profundo.

BACH - VARIAÇÕES GOLDBERG (excerto) PIANISTA: GLENN GOULD

RAPSÓDIA HÚNGARA - MAURICE RAVEL

VICTOR HUGO (1802-1885) - UM GRANDE ESCRITOR E UM GRANDE HOMEM


Victor-Marie Hugo, escritor, poeta e grande activista político.
Nasceu, no Doubs, mas passou a infância em Paris. Estadias em Nápoles e em Espanha acabaram por influenciar profundamente a sua obra. Fundou com os seus irmãos em 1819 a revista, o Conservateur littéraire. No mesmo ano, ganhou o concurso da Académie des Jeux Floraux. O livro, Odes, uma recolha de poemas, foi publicado em 1822, com vinte anos. Com Cromwell, alcançou o sucesso. No prefácio deste drama em verso, que não foi encenado em vivo, opõe-se às convenções clássicas.
Tem, até uma idade avançada, diversas amantes, sendo a mais famosa Juliette Drouet, actriz sem talento que lhe dedicou a sua vida, e a quem ele escreveu numerosos poemas. Hugo foi educado pela mãe no espírito da monarquia, mas acabou por se convencer, do interesse da democracia. Tendo-se tornado favorável a uma democracia liberal e humanitária, foi eleito deputado da Segunda República em 1848, e apoiou a candidatura do "príncipe Louis-Napoléon". Exilou-se após o golpe de Estado de 1851, que condenou vigorosamente por razões morais em "Histoire d'un crime". Durante o Segundo Império, em oposição a Napoléon III, viveu no exílio.
Com a morte da sua filha, Leopoldina, começou a descobrir e a investigar experiências espíritas, escrevendo, "Les tables tournantes de Jersey".
De acordo com seu último desejo, o seu corpo foi depositado num caixão humilde, que foi enterrado no Panthéon. Tendo ficado vários dias exposto sob o Arco do Triunfo, estima-se que 1 milhão de pessoas, vieram prestar-lhe uma última homenagem.
O ESCRITOR E O POLÍTICO
A partir de 1849, Victor Hugo dedicou um quarto da sua obra à política, um quarto à religião e outro à Filosofia humana e social. Sempre foi um reformista e embora criticasse as misérias sociais, nunca adoptou o discurso socialista da luta de classes. Pelo contrário, ele próprio viveu uma vida financeiramente confortável, construída com seus próprios esforços, tornando-se um dos escritores mais bem remunerados da sua época. Acreditava no direito do homem usufruir dos frutos do seu trabalho, embora reforçasse a responsabilidade, que acompanha o enriquecimento pessoal. Deste modo, sempre buscou prosperar, enquanto doava uma parte significativa dos seus proventos, para diferentes obras de caridades.
O seu principal romance, Os Miseráveis, narra a história Jean Valjean, um homem que foge da prisão e reconstrói a sua vida, através do trabalho. Valjean monta uma empresa e através dela, torna a sua região mais próspera e usa a sua fortuna para ajudar os pobres. Este livro revela a filosofia política de Victor Hugo. É um mundo onde há cooperação e não luta entre as classes; onde o empreendedor desempenha um função essencialmente benéfica para todos; onde o trabalho é a via principal de riqueza pessoal e social; onde a intervenção estatal por motivos moralistas, sejam policiais ou revolucionários, obcecado pela justiça terrena, é um dos principais riscos para o bem de todos. Victor Hugo opôs-se à violência, quando ela se aplicava contra o poder democrático, mas justificava-a (conforme à Declaração dos Direitos do Homem) contra um poder ilegítimo. Em 1870, quando começou a Guerra Franco-Prussiana, condenou-a, dizendo que era uma "guerra de capricho" e não de liberdade.
Em seguida, o império é deposto, mas a guerra continuou, contra a república, Hugo publicou um apelo das massas, à resistência. Os republicanos moderados ficaram horrorizados, preferiam Bismarck aos "socialistas"! A população de Paris, no entanto, mobilizou-se e leu avidamente, Les Châtiments. Coerente, Hugo não podia ser comunista, era contra o seu ideal de liberdade, mas indignou-se contra a repressão e morte, exercida sobre os comunistas.
Victor Hugo, nunca aceitou o discurso socialista, acreditava que uma sociedade aberta encontraria soluções para os seus problemas, era contra políticas de redistribuição de riquezas, pois o efeito seria desincentivar a produção. Caso fosse permitida a liberdade de comércio, por outro lado, e caso se tolerasse algum grau de desigualdade social, o resultado seria o progresso geral de todos, beneficiando inclusive os membros mais pobres da sociedade. Defendia que uma ordem que permita o progresso, é benéfica para todos, e não para uma classe específica.

Está pois a pena de morte abolida nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história. (...) Felicito a vossa nação. Portugal dá o exemplo à Europa. Desfrutai de antemão essa imensa glória. A Europa imitará Portugal. Morte à morte! Guerra à guerra! Viva a vida! Ódio ao ódio. A liberdade é uma cidade imensa da qual todos somos concidadãos.
Victor Hugo, 1876, a propósito da abolição da pena de morte em Portugal (o primeiro país europeu a fazê-lo).
De uma obra vastíssima li o seu livro «Os Miseráveis» e vi várias versões do mesmo romance em cinema e televisão.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

FEIRA DO LIVRO EM BRAGA

A PSP apreendeu um livro de pintura, cuja capa reproduz o famoso quadro de Gustave Courbet, A Origem do Mundo, pintado em 1866, e exposto no Museu D'Orsay em Paris.
Lamentável falta de cultura e «complexos de pudor», estamos noutros tempos e é preciso rever o exercício da liberdade.

UM POUCO DE SOL, PELOS SÍTIOS PORTUENSES QUE ME AGRADAM











O LEITOR

REALIZAÇÃO: STEPHEN DALDRY
INTERPRETAÇÃO: KATE WINSLET, RALPH FIENNES
Anos 50, Michael, um rapaz de 15 anos, apaixona-se por Hanna, uma mulher com o dobro da sua idade. Há um relacionamento entre os dois, como Hanna não sabe ler, Michael além do sexo lê-lhe imensas obras. O relacionamento termina abruptamente, com a partida sem aviso de Hanna. Michael fica desesperado, mas depois da crise, continua a sua vida. Quando anda a tirar o curso de advogado, vai assistir a uns julgamentos. Num desses julgamentos, vê no banco dos réus Hanna, ela e outras colegas tinham sido processadas, por terem sido guardas no tempo do nazismo e terem deixado morrer cerca de 300 pessoas num incêndio, por não terem aberto as portas da prisão. Michael continua a amar Hanna e quando as colegas a acusam de redigir o relatório, para não libertar os presos, ele entra num dilema e acaba por não dizer que ela não sabia ler, nem escrever. O resultado foi que as colegas, tiveram 4 anos de prisão e Hanna prisão perpétua.
Michael acaba mais tarde por casar, ter uma filha e divorciar-se. Tem sempre Hanna no pensamento e decide enviar-lhe cassetes , gravando a sua voz a ler livros. É um estímulo para Hanna, que decide aprender a ler e a escrever. Passados anos a pena é-lhe comutada, mas ela nunca teve contactos com ninguém a não ser a correspondência de Michael. A directora chama Michael, para que ele a ajude quando ela sair. Encontram-se e ele promete-lhe ajudá-la. Ela está velha e no dia em que Michael a vai buscar é informado, que ela se tinha suicidado.
Um filme profundo, introspectivo, bem interpretado e tecnicamente perfeito.

ÉDOUARD MANET (1832-1883)

TRÊS QUADROS FAMOSOS DE MANET:
OLYMPIA
BAR FOLLIES-BERGÉRE
O ALMOÇO NA RELVA

Pintor francês e uma das figuras mais importantes da arte do século XIX. Manet gosta dos jogos de luz e de sombra, restituindo ao nu a sua crueza e a sua verdade. O trabalhado das texturas é apenas sugerido, as formas, simplificadas. Os temas deixaram de ser impessoais ou alegóricos, passando a traduzir a vida da época, a sua pintura seguia a estética naturalista de Zola e Maupassant. Manet foi criticado pelos temas, pela técnica, que escapava às convenções académicas. Frequentemente inspirado pelos mestres clássicos, particularmente pelos espanhóis, Manet influenciou, certos precursores do impressionismo, devido à pureza da sua abordagem. Pela sua originalidade e independência, é considerado um dos fundadores da arte moderna.
Os pais queriam que Édouard, estudasse Direito, mas Manet queria ir para a marinha. Chumbou várias vezes para entrar da Escola naval, mas uma viagem num navio-escola, como marinheiro, despertou-lhe o interesse pela pintura e começou a visitar o Louvre. Os pais dão-lhe apoio para ir estudar
no ateliêr do pintor e mestre Thomas Couture. Durante seis anos, Manet procurou aprender as bases técnicas da pintura e fez cópias de várias obras expostas no Louvre, depois completou os seus estudos, viajando e conhecendo museus de outros países como Itália, Holanda, Alemanha, Áustria e outros. Manet teve um filho, com Suzanne Leenhoff, de origem holandesa, que era professora de piano, mas o pai de Manet opôs-se ao casamento e só casaram depois da sua morte. Manet deixou o atelier de Couture, por divergências artísticas. Em 1859, Manet enviou o seu primeiro trabalho, ao Salão de Paris, a obra foi recusada, o júri não estava aberto a novas ideias. Manet tinha um certo fascínio, pela arte espanhola e principalmente por Vélasquez e pintou vários quadros alusivos. Dois foram expostos no Salão dos Recusados de 1863. O quadro "O Cantor Espanhol", ganhou destaque na exposição, pelas suas cores vivas e ganhou uma menção honrosa.
Manet era um jovem amigável e sociável, teve como amigos entre outros o escritor Baudelaire e vários pintores como Monet e Renoir. No seu trabalho a partir de certa altura rompe com o realismo, aproximando-se do impressionismo.
Manet expôs no Salão dos Recusados, o quadro "Almoço na Relva," que foi um escândalo para época, pela nudez."Olympia" também causou reacções fortes. Era um retrato de uma jovem prostituta nua. A sua mulher foi o modelo de muitos dos seus quadros, assim como a pintora Berthe Morisot."O tocador de Pífaro" também foi recusado no Salão Oficial de Paris. Fato que fez com que Zola, escrevesse um artigo, defendendo a tela. No ano seguinte, após ser excluído do Salão Internacional, Manet promoveu com seu próprio dinheiro, uma exposição das suas obras, mas foi um fracasso.
Em 1868 e 1869, Manet foi aceite no Salão Oficial. Em 1870, com a guerra franco-prussiana, Manet alistou-se a Guarda Nacional. No ano de 1881, Manet ganharia o direito de participar permanentemente do Salão Oficial sem julgamento prévio. Em 1882, apresentou o seu último quadro «Bar em Folies-Bergère».
contraiu sífilis, o que lhe causou dores e paralisia parcial. Em 1883, Manet teve que amputar a perna esquerda, devido a gangrena, e morreu dias depois.

ÈMILE ZOLA (1840-1902)

Zola, pintado por MANET

Émile Zola nasceu em Paris. Filho do engenheiro François Zola e de Émilie Aubert, cresceu e estudou em Aix-en-Provence e aos dezoito anos, voltou a Paris para continuar os estudos. Devido às complicações financeiras, por que passou, após a morte do pai, Zola teve vários trabalhos menores, até começar a trabalhar, no ramo jornalístico. Os seus artigos não poupavam críticas severas a Napoleão III. A obra de carácter autobiográfico, La Confession de Claude, foi o seu primeiro romance e teve críticas negativas. Thérèse Raquin, romance lançado no ano seguinte, ainda teve críticas piores. Apresentava uma abordagem inovadora, inspirada nos estudos científicos da época, não um simples romance, mas uma análise científica pormenorizada do ser humano, da moral e da sociedade. Thérèse Raquin, tornou-se, o marco inicial de um novo movimento literário, oriundo da análise científica e experimental do ser humano: o Naturalismo.
Zola também demonstrou elevado engajamento político. O seu trabalho de maior influência política, foi a carta aberta intitulada J'acccuse (Acuso). Émile Zola morreu em 1902 na sua casa, devido à inalação de uma quantidade letal de monóxido de carbono proveniente de uma lareira. Alguns estudiosos, devido às misteriosas circunstâncias do ocorrido, não excluem a hipótese de homicídio.
Foi enterrado no cemitério de Montmartre em Paris. Depois as suas cinzas foram transferidas para o Panthéon em 1908, dois anos depois de Dreyfus ter sido reabilitado. No trajecto, um fanático nacionalista e anti-semita, disparou contra o comandante Alfred Dreyfus, ferindo-o num braço. As brasas do caso Dreyfus não estavam extintas, os velhos rancores permaneciam vivos.
OBRA DE ZOLA -Émile Zola foi o idealizador e principal expoente do naturalismo na literatura. O seu livro, O romance experimental, é o manifesto literário do movimento.
THÉRESE RAQUIN, apresenta inúmeras inovações, Zola combinou algumas das teorias mais polémicas da sua época, tais como, darwinismo, evolucionismo e determinismo científico, compondo o primeiro romance de tese ("um grande estudo fisiológico e psicológico", segundo disse).
Inspirado pela colossal obra, A Comédia Humana de Honoré de Balzac, um dos mestres da literatura francesa, Zola iniciou, em 1871, o seu grande projecto: a série Les Rougon-Macquart a que deu o subtítulo de história natural e social de uma família sob o segundo império, composta por 20 romances de cunho naturalista, escritas entre 1871 e 1893. Os principais romances de, Os Rougon-Macquart são: O Ventre de Paris, A Terra, Nana e Germinal.
Zola escreveu uma segunda série intitulada, As três cidades, sobre problemas religiosos e sociais. Atraído pelas teorias socialistas e depois evoluindo para uma visão messiânica do destino humano, escreveu uma terceira série, Os quatro evangelhos, que ficou incompleta, com a sua morte.
Apesar da qualidade literária dos seus livros, nunca integrou a Academia Francesa de Letras. A sua candidatura foi apresentada 24 vezes.
GERMINAL- Amplamente considerada a obra máxima de Émile Zola, elevou a estética e a descrição naturalista a um novo patamar de realismo e crueza. O romance é minucioso ao descrever as condições de vida desumanas de uma comunidade de trabalhadores de uma mina de carvão. Após terem contactado com ideias socialistas, que circulavam pela classe operária, os mineiros retratados na obra, revoltam-se contra a opressão e organizam uma greve geral, exigindo condições de vida e trabalho mais favoráveis. A manifestação é reprimida e neutralizada, mas permanece viva a esperança de luta e de conquista. Para escrever Germinal, o escritor passou dois meses a trabalhar e a viver com os mineiros.
J'ACCUSE - Em 1898, Zola tomou parte no aceso debate público, relativo ao caso Dreyfus, publicando artigos em jornais e revistas, onde tornou claro aquilo que mais tarde se viria a provar definitivamente: a inocência de Dreyfus. O seu famoso artigo J'accuse, com o subtítulo Carta a Félix Faure, Presidente da República, publicado no jornal literário L'Aurore, era tão incisivo, que levou à revisão do processo, o mesmo terminaria anos depois do assassinato (?) de Zola, com a reabilitação do oficial Alfred Dreyfus em 1906, injustamente acusado de traição.
Após a publicação de J'accuse, Zola foi processado por difamação e condenado a um ano de prisão. Ao saber da condenação, Zola exilou-se em Inglaterra. Após o seu regresso, quando já não corria o risco de ser preso, dada a evolução positiva do processo, publicou, vários artigos sobre o caso.
Zola também tentou difamar as aparições da Virgem Maria em Lourdes, mas foi contestado.
Além dos destaques da sua obra: escreveu poesia, romance, contos, teatro e obras críticas.
Li: O CRIME DO PADRE MOURET, O SONHO, NANA, A BESTA HUMANA E GERMINAL, um romance marcante.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

A DÚVIDA

A DÚVIDA
REALIZAÇÃO: JONH PATRICK SHANLEY
INTERPRETAÇÃO: AMY ADAMS, MERYL STREEP, PHILIP SEYMOUR HOFFMAN

Gostei bastante deste filme, pelas interpretações e pelo argumento.
Passa-se em 1964, num colégio de religiosas e o confronto é entre a reitora, super conservadora e o padre com ideias mais progressistas.( Este meio educacional religioso, tem um certo paralelismo com o que eu frequentei, realmente existiam freiras más e austeras na educação e com uma agravante enquanto no filme os alunos são mistos, o colégio que frequentei era feminino).
No filme, o confronto entre estas duas personalidades é evidente e a reitora, aproveita-se da ingenuidade de uma outra religiosa, que lhe dá conhecimento do comportamento especial do padre, com um aluno, para o acusar de forma implicíta de pedofilia, motivando a transferência do padre, que com essa mudança é promovido. A reitora depois de tudo fica com imensas dúvidas, porque o padre dava mais atenção a um miúdo, porque era o único negro do colégio e sofria as pressões dos colegas, porque tinha uma família problemática.

ÓSCARES

Este ano a cerimónia dos Óscares teve uma apresentação diferente e interessante, apresentada pelo actor australiano, Hugh Jackman, que se revelou um «senhor espectáculo».

Quanto aos Óscares não houve grandes novidades:
MELHOR FILME: QUEM QUER SER BILIONÁRIO?
MELHOR REALIZADOR: DANNY BOYLE (QUEM QUER SER BILIONÁRIO?)
[FILME QUE ME DEIXOU ALGUMAS RETICÊNCIAS, MAS É CONSIDERADO UM DOS FILMES MAIS ANIMADORES NA SITUAÇÃO EM QUE ESTÁ O MUNDO. NESSE ASPECTO SIM: UMA RAPAZ QUE CRESCE NA RUA, NA MAIOR MISÉRIA, CONCORRE AO CONCURSO E SEM CULTURA GANHA ESSE CONCURSO E FICA COM A RAPARIGA QUE AMA! É DE FACTO MUITO ANIMADOR, MAS POUCO REALISTA.]

MELHOR ARTISTA: KATE WINSLET, no filme O LEITOR, mas eu também gostei bastante da sua interpretação em, REVOLUTIONARY ROAD e também gostei da MERYL STREEP, na DÚVIDA e da ANGELINA JOLIE, em A TROCA.

MELHOR ACTOR: SEAN PENN, no filme, MILK, mas também gostei da interpretação de BRAD PITT, em O ESTRANHO CASO DE BENJAMIN BUTTON. (Não vi ainda foi MICKEY ROURKE, no filme, O WRESTLER).

MELHOR ARTISTA SECUNDÁRIA: PENÉLOPE CRUZ, no filme, VICKY CRISTINA BARCELONA
MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO: HEATH LEDGER, no filme, BATMAN, O CAVALEIRO DAS TREVAS ( A título póstumo)

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO: WALL-E



domingo, 22 de fevereiro de 2009

MITOLOGIA GREGA

A Mitologia Grega é fascinante, mas complexa, tenho andado a rever esta matéria e algumas coisas vêem parar ao Blogue. Já me referi às obras de Homero, a Odisseia e a Ilíada, que revelam alguns dos heróis gregos, assim como Eneida de Virgílio, onde o escritor cria a continuação da saga do herói grego Enéias. Já me referi aos mitos de Édipo e Elecktra e também a Irís, Adónis, Medeia, Antígona, Pandora e Apolo.

A MITOLOGIA GREGA É DIVIDIDA EM PERÍODOS:

Primeiro Reinado, Glória de Urano

Segundo Reinado, Glória de Crono

Terceiro Reinado, Glória de Zeus

Gigantomaquia

Cosmogênese

Tifão, a Última prova de Zeus

Criação dos Animais e do Homem

Primeira Fase do Universo


NESTES PERÍODOS OS INTERVENIENTES SÃO VARIADOS:

RAÇAS
Ventos · Centauros · Ctónicos · Ciclopes · Dragões · Erínias · Gigantes · Górgonas · Hecatônquiros · Harpia · Musas · Moiras · Mortais · Ninfas · Deuses olímpicos · Deuses primordiais · Sátiros · Titãs

DEUSES OLÍMPICOS
Zeus · Hera · Posídon · Hades · Atena · Apolo · Ártemis · Deméter · Afrodite · Ares · Hefesto · Hermes · Dionísio

DEUSES PRIMORDIAIS
Caos · Éter · Érebo · Euríbia · Gaia · Hemera · Nix · Óreas · Tártaro · Urano · Eurínome · Eros

TITÃS
Céos · Cronos · Hipérion · Jápeto · Créos · Oceano · Febe · Mnemosine · Reia · Téia · Têmis · Tétis

OUTROS DEUSES
Asclépio · Circe · Éolo · Éris · Hécate · Hebe · Hélios · Hipnos · Métis · Morfeu · Orfeu · Nêmesis · Pã · Perséfone · Selene

HERÓIS
Agamemnon · Aquiles · Argonautas · Édipo · Enéias · Heitor · Héracles · Jasão · Menelau · Odisseu · Orestes · Páris · Perseu · Teseu – Ajax –Astianax –Neoptólemo –Orion – Pátroclo – Príamo

LUGARES
Delfos · Delos · Hades (reino) · Hiperbórea · Jardim das Hespérides · Olímpia · Olimpo · Temiscira · Tróia

LENDAS MITOLÓGICAS – Ariadne – Medeia – Musas – Narciso – Sisífo

EPISÓDIOS
Os doze trabalhos de Hércules · Guerra de Tróia · Odisséia · Titanomaquia

DOMINGO DE CARNAVAL

Casa de Chá em Leça da Palmeira - arquitecto Siza Vieira - um sítio agradável para estar confortável a ver o mar.
Hoje, com uma tarde de sol e com 18 graus de temperatura, muita gente foi passar um dos dias de Carnaval junto ao mar.
O mar dá saudades, mesmo muitas saudades! Do tempo dos descobrimentos!

WILLIAM SOMERSET MAUGHAM (1874-1965)


Somerset Maugham, nasceu na embaixada britânica em Paris, onde o seu pai trabalhava como advogado. Oriundo de uma família, que se encontrava bem na vida, teve no entanto a infelicidade de perder a sua mãe, vítima de tuberculose, quando tinha seis anos e dois anos depois, o pai, vítima de cancro.
William foi para Inglaterra, viver com um tio, que era clérigo e que lhe deu uma educação muito austera. Depois foi estudar para a Alemanha Filosofia, Literatura e Alemão. Aí conheceu, John Ellingham Brooks, um inglês dez anos mais velho, com quem teve uma ligação sexual. Regressou a Inglaterra e apesar de querer dedicar-se à escrita, o tio mandou-o estudar medicina. Foi contrariado, mas como depois disse, foi uma importante experiência de vida, ao contactar com pessoas de outra condição e com os dramas das suas vidas.
Apresentou o seu primeiro livro, uma biografia de Giacomo Meyerbeer, escrita aos dezasseis anos, mas o grande êxito veio com , Liza of Lambeth (O Pecado de Liza), uma narração sobre um adultério na classe operária e suas consequências. Maugham abandonou a medicina e continuou a escrever, a vida de escritor permitia-lhe viajar e viver em lugares diferentes. As suas dez obras posteriores, não tiveram o sucesso de Liza, mas a peça de teatro, Lady Frederick foi um sucesso. Maugham passou a ser um homem famoso, com dez obras de teatro representadas e dez novelas publicadas.
Durante a Primeira Guerra, serviu em França, como membro da Cruz Vermelha Britânica, como condutor de ambulância, onde estavam outros escritores como: Hemingway, John dos Passos e E. E. Cummings. Nesse período, conheceu Frederick Gerald Haxton, um jovem norte-americano, que passou a ser o seu companheiro. Durante a guerra, Maugham continuou a escrever, corrigiu as provas de, Of Human Bondage (Servidão Humana), que foi qualificada pelos críticos, como um dos romances mais importantes do século XX. O livro parece ser autobiográfico, apesar do escritor negar, mas a estreita relação entre realidade e literatura, foi uma das características da sua obra.
Maugham era bissexual. Da sua relação com Syrie, casada com Henry Wellcomo, teve uma filha chamada, Mary Elizabeth, "Liza". Syrie divorciou-se e casaram, mas acabaram por se divorciar, depois de um casamento tempestuoso, agravado pelas frequentes viagens de Maugham e pela sua relação com Haxton.Quando deixou o serviço das ambulâncias, Maugham foi trabalhar para os serviços secretos britânicos, esteve em vários países, sempre acompanhado por Haxton. Todas as suas experiências, serviram de matéria para a sua escrita.Em 1928, Maugham adquiriu uma propriedade na Riviera Francesa, que seria a sua casa para o resto da vida e um dos melhores salões sociais e literários.
A sua produção continuou a ser prodigiosa, escreveu teatro, novelas, ensaios e livros de viagens. Quando a França foi ocupada pelos alemães, foi para os Estados Unidos, onde adaptou alguns dos seus livros para o cinema e foi conferencista, a pedido do governo americano, pela ajuda norte-americana à Grã-Bretanha. Gerald Haxton morreu em 1944 e Maugham voltou para a Inglaterra e depois para a Riviera, intercalando com as muitas viagens que fazia. O vazio deixado pela morte de Haxton, foi preenchido por Alan Searle, jovem do subúrbio londrino.
Os últimos anos de Maugham foram marcados pelo escândalo, consequência de demência e consequente decadência intelectual. O pior desses escândalos, foi o ataque à falecida Syrie e a adopção de Searle como filho, para lhe assegurar a herança, marginalizando a sua filha Liza.
Foi um escritor com grande êxito comercial. O seu pensamento era claro e seu estilo lúcido, expressando afirmações e opiniões, numa excelente prosa. As experiências de vida permitiram-lhe ser um humanista, Maugham assumiu um comportamento literário sem pedantismos. As mulheres nos seus romances, são seres fortes e determinados. Da sua obra, considera-se, Servidão Humana, a sua obra-prima. The Razor's Edge (No Fio da Navalha), foi um caso atípico da sua produção, trata de um homem decepcionada pela guerra, que abandona o seu estilo rico de vida e viaja para a Índia em busca da «iluminação». Da sua extensa obra li: Lisa, a Pecadora (romance), Servidão Humana (romance); Encontros de Acaso (contos) e Encontros do Amanhecer (contos). No cinema vi as adaptações dos seus livros: Servidão Humana, Julia e O Véu Pintado.

MORREU LAGOA HENRIQUES (1923-2009)

Lagoa Henriques, morreu ontem em Lisboa, devido a doença prolongada.
Um dos seus trabalhos mais conhecidos, Fernando Pessoa, no Chiado, mas o escultor tem uma vasta obra.

António Augusto Lagoa Henriques (Lisboa, 27 de Dezembro de 1923).
Iniciou os seus estudos, no Curso Especial de Escultura da Escola de Belas-Artes de Lisboa e depois mudou para a Escola de Belas-Artes do Porto, onde foi aluno de Barata Feyo.
Concluiu o Curso Superior de Escultura com 20 valores.
O Instituto de Alta Cultura, concedeu-lhe uma bolsa e foi para a Itália,onde esteve três anos, grande parte dos quais em Milão a trabalhar, sob a orientação do escultor Marino Marini.
Quando regressou, foi convidado pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto, para professor assistente de Escultura e depois professor efectivo (1959-1966).
Em 1966 mudou, a seu pedido, para a Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, onde desenvolveu uma acção pedagógica de grande relevo no ensino do Desenho.
O seu trabalho foi reconhecido, ganhando vários prémios e homenagens.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

CARNAVAL



A festa carnavalesca, surge a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. A palavra "Carnaval" está, desse modo, relacionada com a ideia de "afastamento" dos prazeres da carne marcado pela expressão "carne vale", que, acabou por formar a palavra "Carnaval".

MARC CHAGALL (1887-1985)

Nasceu na Bielorrussa, mas cedo rumou a Paris, onde se tornou um artista famoso. Aderiu ao movimento surrealista e ficou conhecido como o PINTOR-POETA.


HENRY MILLER (1891-1980)


Henry Miller - controverso e proscrito escritor norte-americano.
O seu estilo é caracterizado pela mistura de autobiografia com ficção. Muitas vezes conotado como um escritor pornográfico, escreveu também livros de viagem e ensaios sobre literatura e arte. Uma das suas amantes foi a escritora Anais Nin. Há um filme ficcional, sobre o período da vida em que eles se conheceram, Henry and June, baseado nos diários de Anaïs.
Henry Miller tornou-se um clássico, quando publicou a trilogia "Sexus, Plexus, Nexus". Sobre este livro declarou: "fiz uso, ao longo desses livros, de irruptivos assaltos ao inconsciente, tais como sonhos, fantasia, burlesco, trocadilhos pantagruélicos, etc, que emprestam à narrativa um carácter caótico, excêntrico, perplexo". Embora a obra de Henry Miller se tenha tornado, para parte do público e crítica, sinónimo de literatura erótica, nesses livros há passagens filosóficas, além de ter escrito também, obras nada obscenas ou lascivas.
Henry passou a sua infância em Williamsburg, Brooklyn, Nova Iorque. Mais tarde na sua juventude, foi militante do Partido Socialista. Tentou vários tipos de serviços e por períodos curtos, frequentou aulas no City College of New York. Em 1928 e 1929, passou diversos meses em Paris, com a sua segunda mulher, June Edith Smith. Depois mudou-se sozinho para Paris, onde viveu em condições precárias, dependendo da benevolência de amigos, tais como Anaïs Nin, que se tornou sua amante e financiou a primeira impressão do Trópico de Câncer em 1934.
O livro teve dificuldades de distribuição, sendo banido em alguns países sob a acusação de pornografia. Em 1931, Miller trabalhou na Chicago Tribune (edição francesa), como revisor. Os seus trabalhos eram relatos detalhados de experiências sexuais e os seus livros motivaram a discussão livre de assuntos de cunho sexual, na literatura norte americana.
Miller continuou a escrever romances, que foram banidos nos Estados Unidos, sob acusação de obscenidade. A maior parte da sua obra gira em torno da sua segunda esposa June Mansfield. O casal separou-se e Henry voltou a se casar outras vezes. Durante a Segunda Guerra Mundial regressou aos Estados Unidos. Passou a ser um escritor prolífico e obteve grande sucesso, após a liberação das suas obras na década de 60.
ALGUMAS DAS SUAS OBRAS:
Trópico de Câncer, Trópico de Capricórnio, O Sorriso ao pé da escada, Sexus, Plexus, Nexus.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

ELISA FERREIRA - CANDIDATA PS PARA A CÂMARA DO PORTO


Elisa Maria da Costa Guimarães Ferreira, nasceu na cidade no Porto a 17 de Outubro de 1955.
Currículo académico - Licenciada em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto (1977); Mestrado em Economia pela Universidade de Reading, do Reino Unido (1981); Doutoramento em Economia, pela Universidade de Reading, do Reino Unido (1985);
Actividade Profissional - Professora Auxiliar da Faculdade de Economia da Universidade do Porto; Vice-Presidente da Associação Industrial Portuense (AIP), entre 1992 e 1994; Vice-Presidente da Comissão de Coordenação da Região Norte, entre 1989 e 1992; Presidente da Comissão Executiva da Operação Integrada de Desenvolvimento (OID) do Vale do Ave (entre 1990 e 1992);
Coordenadora da equipa técnica autora dos Estudos Preparatórios da OID do Vale do Ave; Sub-Directora do Programa de Investigação sobre Gestão de Recursos Hídricos financiado pela NATO; Sub-Directora do Projecto de Gestão Integrada dos Recursos Hídricos do Norte (entre 1986 e 1987); Representante do Ministério do Plano e Administração do Território na Comissão de Gestão Integrada da Bacia Hidrográfica do Ave - CGIBHA, entre 1985 e 1989;
Colaboradora não permanente da Universidade Católica, no Porto e em Lisboa (desde 1986); Vogal do Conselho de Administração do Instituto Nacional de Estatística (de 1989 a 1992);
Actividade política - Ministra do Ambiente do XIII Governo Constitucional (de 1995 a 1999); Ministra do Planeamento do XIV Governo Constitucional(de 1999 a 2002); Deputada pelo Partido Socialista à Assembleia da República (de 2002 a 2004); Deputado no Parlamento Europeu pelo Partido Socialista entre 2004 e 2009; Candidata pelo Partido socialista à presidência da Câmara Municipal do Porto (2009);

TEM UM CURRÍCULO MUITO INTERESSANTE.
TEM BONS APOIOS.
BENEFICIA DO DESAGRADO QUE CERTOS SECTORES TÊM PELO RUI RIO.
PODERÁ SER UMA VENCEDORA, QUEM SABE?
QUANDO CHEGAR AO PODER, IREMOS VER O QUE PODE FAZER E O QUE VAI FAZER!...
TEM TAREFA QUE CHEGUE:
-MUITA DEGRADAÇÃO HABITACIONAL EM CERTAS ZONAS DO PORTO:
-MAUS ARRUAMENTOS;
-ESPAÇOS PÚBLICOS DEGRADADOS;
-A CULTURA NA CIDADE PRECISA DE SER REVITALIZADA;
-ATENÇÃO COM OS «PATOS BRAVOS»;
ENFIM... COMO EU NÃO SOU NENHUMA ESPECIALISTA FICO POR AQUI, É NATURAL QUE TAMBÉM DADA A SITUAÇÃO CAÓTICA DO PAÍS, AS VERBAS SEJAM MUITO ESCASSAS PARA FAZER A DIFERENÇA!?...

SAINT-SAËNS - CARNAVAL DOS ANIMAIS (O CISNE)

BEETHOVEN - ROMANZA PARA VIOLINO Nº.2

A OBRA DE SHAKESPEARE

Globe Theatre


POEMAS - Em 1593 e 1594, quando os teatros foram fechados por causa da peste, Shakespeare publicou dois poemas eróticos, hoje conhecidos como: Vénus e Adónis e O Estupro de Lucrécia. Em Vénus e Adónis, um inocente Adónis, rejeita os avanços sexuais de Vénus (mitologia); no segundo poema descreve a virtuosa esposa Lucrécia, que é violada sexualmente. Ambos os poemas são influenciados pela obra Metamorfoses, do poeta latino Ovídio e demonstram a culpa e a confusão moral, que resultam numa determinada volúpia descontrolada.

SONETOS - Publicado em 1609, a obra Sonetos, foi o seu último trabalho publicado. Os estudiosos, não sabem quando cada um dos 154 sonetos da obra foram compostos, mas evidências sugerem, que Shakespeare as escreveu durante toda sua carreira, para leitores particulares. Os críticos elogiam os sonetos e comentam que são uma profunda meditação sobre a natureza do amor, a paixão sexual, a procriação, a morte e o tempo.

DESTAQUE DAS PEÇAS TEATRAIS MAIS CONHECIDAS

TRAGÉDIAS

HAMELT - O Príncipe Hamlet é visitado pelo espectro de seu pai, que ordena que o filho vingue seu assassinato, alegando que seu irmão, o actual Rei Cláudio, o assassinou. Depois de lutar com várias questões, sendo uma delas o de saber se o fantasma diz a verdade, e também se é correto, justo ou necessário vingar-se, Hamlet, junto com quase todas as principais personagens da peça, morre numa luta violenta entre espadas, insultos e venenos.
REI LEAR -
Lear, rei da Bretanha, decide dividir o reino entre suas três filhas, Goneril, Regane e Cordélia. Para calcular a partilha, pede às filhas que demonstrem a gratidão e o amor que sentem pelo pai. Apenas Cordélia contraria as expectativas do rei e é expulsa do reino, por ser desleal. Lear compreende que Reagan e Goneril é que são desleais, mas a herança já havia sido dada. Ele mostra-se como um pobre homem sem coisa alguma, até que Cordélia parte com o seu marido, o Rei de França, para recuperar as terras do pai. Reagan e Goneril são derrotadas; Cordélia é enforcada e Lear morre tentando reanimar a filha.
MACABETH -
Macbeth é um nobre general escocês, que após vencer uma batalha contra rebeldes, encontra-se com uma bruxa, que profetiza a hipótese dele se tornar rei. Isso evidencia seu desejo de tocar numa coroa. Lady Macbeth, com uma ambição transbordante, seduz o marido com o intuito de ambos assassinarem o Rei Duncan, para que ambos assumam o trono. Seguem-se uma série de crimes e batalhas. Macbeth passa a viver num inferno de conflitos, crimes e uma dose de culpa fundida com valores morais.
OTELO, O MOURO DE VENEZA -
Otelo, passa a desconfiar da fidelidade de sua esposa Desdémona, quando o cruel Iago introduz dúvidas a respeito dela. Depois de alguns planos armados por Iago, Otelo assassina sua esposa, pensando que ela realmente o traiu. Emília, esposa de Iago, revelou que tudo foi um plano do seu esposo. Iago assassina sua esposa e é capturado. Otelo, desesperado, apunhala-se, caindo sobre o corpo de Desdémona, beijando-a.
ROMEU E JULIETA -
Em Verona, Itália, duas famílias, os Montecchios e os Capuletos, estão numa fase de rivalidade por meio de insultos. Romeu, um Montecchio, e Julieta, uma Capuleto, apaixonam-se no meio dessa rivalidade e lutam para manter suas relações. Após Romeu assassinar o primo de Julieta, num encaixe de paixão, as coisas desmoronam-se. Ambos os amantes se suicidam devido a um pequeno engano, em minutos um tanto diferentes, e a cidade inteira veste de luto; as duas famílias, antes rivais, fazem as pazes em nome do amor de seus jovens.

COMÉDIAS
MERCADOR DE VENEZA - Bassânio, um nobre veneziano, que perdeu toda sua herança pretende casar com Pórcia, uma bela e rica herdeira. O seu amigo António, concorda em lhe emprestar o capital necessário, para que ele viaje até Belmonte, no continente, onde vive Pórcia. Como António é um mercador, toda a sua fortuna está investida numa frota de navios mercantes, que navegam em águas estrangeiras. Ele então faz um empréstimo junto a Shylock, um agiota que concorda em emprestar o dinheiro, desde que António empenhe uma libra de sua própria carne, como garantia. Quando Bassânio chega a Belmonte, descobre que para ganhar a mão de Pórcia, terá que se submeter a um teste envolvendo três arcas, deixadas pelo pai da moça antes de morrer e ainda recebe a noticia que os barcos de António naufragaram e ele perdeu toda sua fortuna, estando a sua vida, agora, nas mãos de Shylock. O Mercador de Veneza confronta o que há de melhor e que há de pior na alma humana: tolerância , intolerância, usura, benemerência, amizade, vingança, interesse, paixão, romance e sublime poesia.
SONHOS DE UMA NOITE DE VERÃO - Egeu queria obrigar a filha, Hérmia, a casar com Demétrio, ex-namorado da melhor amiga dela, Helena. O problema é que Hérmia amava Lisandro e Helena ainda amava Demétrio. Hérmia e Lisandro fugiram para se casar e atravessavam uma floresta. Demétrio seguiu-os e foi por sua vez, seguido por Helena. Na floresta, habitavam seres fantásticos, fadas e duendes. O rei das fadas, Oberon, e a rainha, Titânia, estavam em guerra pela guarda de um recém-nascido abandonado. Oberon ordenou que o seu criado, Puck, jogasse um feitiço em Titânia, que a faria apaixonar pelo primeiro ser que visse ao acordar. O rei viu os humanos brigando e compadeceu-se de Helena. Mandou que Puck fizesse o feitiço com Demétrio. Puck enganou-se e enfeitiçou Lisandro. Quando acordou, Lisandro esqueceu Hérmia e se apaixonou por Helena. Depois, Puck enfeitiçou Demétrio, que também se apaixonou por Helena. Para corrigir a confusão, o duende adormeceu os quatro humanos e cuidou que se apaixonassem pelas pessoas certas. No final, Hérmia casou com Lisandro e Demétrio com Helena. Oberon e Titânia fizeram as pazes e decidiram criar juntos o recém-nascido abandonado.
A TEMPESTADE -
A tempestade é uma história de vingança, de amor, de conspirações oportunistas, e é uma história que contrapõe a figura disforme, selvagem, pesada dos instintos animais, que habitam o homem à figura etérea, incorpórea e espiritualizada de altas aspirações humanas, como o desejo de liberdade e a lealdade grata e servil. Uma Ilha é habitada por Próspero, Duque de Milão, mago de amplos poderes, e sua filha Miranda, que foram levados à força, num ato de traição política. Próspero tem a seu serviço Caliban, um escravo, homem adulto e disforme, e Ariel, um espírito servil e assexuado, que pode se metamorfosear em ar, água ou fogo. Os poderes eruditos e mágicos de Próspero e Ariel combinam-se e depois de criar um naufrágio, Próspero coloca na Ilha, um príncipe, como noivo para a filha. Se o amor acontece entre os dois jovens, se a vingança de Próspero é bem-sucedida, se Caliban se modifica, quando conhece os poderes inebriantes do vinho, numa cena cómica com bêbados, tudo isso Shakespeare nos revela no enredo desta que por muitos é considerada a sua obra-prima – uma história de dor e reconciliação.
"We are such stuff as dreams are made on." ("Somos da mesma substância que os sonhos.")

As peças shakesperianas são peculiares, complexas, misteriosas e com um fundo psicológico espantoso. Uma das qualidades do trabalho de Shakespeare foi justamente a sua capacidade de individualizar todos seus personagens, fazendo com que cada um se tornasse facilmente identificado. Shakespeare também era excêntrico e adaptava-se a géneros diferentes. Trabalhando com o sombrio e com o divertido ou cómico, Shakespeare conseguiu chegar perto da unanimidade.
Diversos filósofos e psicanalistas estudaram as obras de Shakespeare e a maioria encontrou uma riqueza psicológica e existencial. Entre eles, Arthur Schopenhauer, Freud e Goethe.

WILLIAM SHAKESPEARE (1564-1616)


William Shakespeare, dramaturgo e poeta inglês, considerado como o maior dramaturgo de Língua inglesa e um dos mais influentes no mundo ocidental. Consistem em 38 peças, 154 sonetos, dois poemas de narrativa longa, e várias outras poesias. Muitos de seus textos e temas, especialmente os do teatro, permaneceram vivos até aos nossos dias, sendo revisitados com frequência pelo teatro, televisão, cinema e literatura. Entre as suas obras, é impossível não ressaltar Romeu e Julieta, que se tornou a história de amor por excelência e Hamlet, que possui uma das frases mais conhecidas da língua inglesa: To be or not to be: that's the question (Ser ou não ser, eis a questão).
Há especulações sobre a sexualidade, as convicções religiosas, e a autoria das peças. Há quem pense que ele nunca existiu e que as peças possam ter sido escritas por outras pessoas. As obras foram produzidas entre 1590 e 1613.
Acredita-se que William Shakespeare foi filho de John Shakespeare, um bem-sucedido luveiro e sub-prefeito de Straford (depois comerciante de lãs), vindo de Snitterfield, e Mary Arden, filha de um rico proprietário de terras. Embora a sua data de nascimento seja desconhecida, admite-se a de 23 de Abril de 1564, com base no registo de seu baptizado. Muitos concordam que William foi educado em uma excelente grammar schools da época, um tipo de preparação universitária. No entanto, Park Honan conta, numa biografia de Shakespeare, que o pai foi obrigado a tirá-lo desta escola, quando William deveria ter quinze ou dezasseis anos (algumas fontes citam doze anos). Na década de 1570, John passou a ter problemas económicos e o jovem Shakespeare, não teve uma formação colegial completa. Segundo certos biógrafos, Shakespeare teve que trabalhar cedo para ajudar a família, aprendendo a tarefa de esquartejar bois e até abater carneiros.
Em 1582, aos 18 anos de idade, casou-se com Anne Hathaway, uma mulher de 26 anos, que estava grávida. Há fontes que dizem que Shakespeare, queria ter uma vida mais favorável ao lado de uma esposa rica. O casal teve uma filha, Susanna, e dois anos depois, os gémeos Hamnet e Judith.
Após o nascimento dos gémeos, há pouquíssimos vestígios históricos a respeito de Shakespeare, até à altura em que é mencionado, como fazendo parte da cena teatral de Londres. Devido a isso, estudiosos referem-se aos anos 1585 e 1592, como os Anos perdidos de Shakespeare.
Não se sabe quando Shakespeare começou a escrever, mas alusões contemporâneas, mostram que várias das suas peças foram representadas em Londres. Neste período, o contexto histórico favorecia o desenvolvimento cultural e artístico,a Inglaterra vivia os tempos de ouro sob o reinado da rainha Elizabeth I. O teatro deste período, conhecido como teatro elisabetano, foi de grande importância para os ingleses. Na época, o teatro também era publicado e tinha muitos leitores.
Biógrafos sugerem que a sua carreira deve ter começado a qualquer momento a partir de meados dos anos 1580. Ao lado do The Globe, haveria um matadouro, onde aprendizes do açougue deveriam trabalhar. Ao chegar a Londres, há uma tradição que diz, que Shakespeare não tinha amigos, dinheiro e estava pobre, completamente arruinado. Segundo um biógrafo do século XVIII, ele foi recebido pela companhia, começando num serviço pequeno e logo foi subindo de cargo, chegando provavelmente à carreira de actor. Supõe-se que o seu talento como actor seria limitado e isso levou a que começasse a escrever peças de teatro. Desde 1594, as peças de Shakespeare foram realizadas apenas no Lord Chamberlain's Men. Com a morte de Elizabeth I, em 1603, a companhia passou a atribuir uma patente real ao novo rei, James I da Inglaterra, mudando seu nome para King's Men (Homens do Rei).
Todas as fontes marcam o ano de 1599, como o ano da fundação oficial do Globe Theatre. Foi fundado por James Burbage e ostentava uma insígnia de Hércules, sustentando o globo terrestre. Shakespeare seria nessa altura um homem rico e sócio do Globe. O edifício tinha forma octogonal, com abertura no centro. Não existia cortina e todos os papéis eram representados por homens, sendo os mais jovens os encarregados de fazerem papéis femininos. Em 1613, O Globe Theatre foi destruído pelo fogo. Alguns biógrafos dizem que foi durante a representação da peça Henry VIII. Shakespeare voltou para Stratford, onde a família o esperava.
Após 1606-7 escreveu peças menores, as suas últimas três obras, foram colaborações, com Fletcher, que lhe sucedeu no cargo de dramaturgo do King's Men. A sua última peça, A Tempestade, foi terminada sem 1613.
William Shakespeare morreu em 1616, no mesmo dia de seu aniversário.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

APOLO O MAIS BELO DOS DEUSES

Apolo e Dafne - escultura de Bernini

Apolo, filho de Zeus e Leto e irmão gémeo de Ártemis, deusa da caça, era um dos mais importantes e multifacetados deuses do Olimpo. Nas mitologias grega, romana e etrusca, Apolo foi identificado como o deus da luz e do sol, da verdade e da profecia, do pastoreio, do tiro com arco, da beleza, da medicina e da cura, da música, da poesia e das artes.
OS MITOS - Apolo nasceu de um dos amores adulterinos de Zeus. Quando Hera descobriu a gravidez da rival Leto, proibiu-lhe que desse à luz em terra firme, fosse no continente fosse em qualquer ilha e colocou no seu encalço a serpente Píton. Deambulando sem destino, Leto acabou por chegar a Delos, uma ilha flutuante criada por Poseidon e ali deu à luz os seus gémeos, Apolo e Ártemis. Depois do nascimento, Zeus fixou a ilha no fundo do mar, e mais tarde ela foi consagrada a Apolo. (Há, no entanto, outras versões). Seu primeiro amor foi a ninfa Corônis, que lhe deu como filho Asclépio. Tornando-se este um mestre na arte de curar tão poderoso, que podia ressuscitar os mortos, ameaçava com isso o poder soberano de Zeus, ultrajava Temis e roubava súbditos a Hades, pelo que foi morto por um raio de Zeus. Para vingar-se, como não podia voltar-se contra seu pai, Apolo matou os Cíclopes, que haviam forjado os raios, e por isso foi castigado. Deveria ter sido desterrado para o Tártaro, mas graças à interferência de sua mãe o castigo foi comutado em um ano de trabalhos forçados como um mortal, para o rei Admeto. Sendo bem tratado pelo rei durante sua expiação, Apolo ajudou-o a obter Alceste e a ter uma vida mais longa, que a que o destino lhe reservara.
Durante a Guerra de Tróia, Apolo participou ao lado dos troianos, e disseminou a peste entre os gregos, em resposta a um insulto de Agamemnon a Crises, um de seus sacerdotes, cuja filha Criseida havia sido sequestrada. Apolo exigiu sua libertação, provocando a ira de Aquiles. Protegeu Enéias, quando este foi ferido por Diomedes e ajudou Páris a matar Aquiles, que havia morto Troilo, filho do deus com Hécuba.
Apolo teve uma grande descendência, resultado de muitas amantes, como Dafne, Leucoteia, Castália, Sínope, Marpessa, Cassandra, Acanta, etc.
Apolo, foi também o deus grego que manteve as relações homossexuais mais célebres. Todos os seus amantes masculinos, eram mais jovens que ele, como era o hábito entre os gregos.

REPRESENTAÇÃO NA ARTE - A imensa maioria de estátuas e pinturas de Apolo mostram um homem jovem, no auge de sua força e beleza. Muitas vezes está nu, ou veste um manto. Pode trazer uma coroa de louros na cabeça, o arco e flechas, ou uma cítara ou lira nas mãos, ou estar apoiado contra uma árvore. Às vezes a serpente Píton também é representada, ou algum outro de seus animais simbólicos, como o grifo e o corvo. Nas pinturas e mosaicos pode ter uma coroa de raios de luz ou uma auréola.
Foi retratado inúmeras vezes ao longo da história. Das estátuas antigas talvez a mais célebre seja o Apolo Belvedere, de Leocarés. Depois do Renascimento, quando a cultura grega voltou a ser prestigiada, Apolo tornou-se novamente tema comum nas artes plásticas, na música, na literatura e na poesia. O rei francês Luís XIV, tomou-o como modelo de sua própria glória, e imagens de Apolo e do sol, abundam em Versalhes e no Louvre. Foi também fonte inspiradora em tempos mais recentes, destacando-se a obra musical Apollon Musagète, de Igor Stravinsky.